O Instagram é o queridinho das redes sociais, todo mundo ama ver e (principalmente) ser visto por lá. Seja para identificar o conteúdo das postagens ou como parte da estratégia para aumentar a visibilidade, as hashtags sempre foram grandes aliadas dos usuários. No entanto, de uns tempos para cá, muitas pessoas vêm se queixando de que suas fotos estão sendo omitidas dos resultados das buscas. Neste post, explicarei porque isso está acontecendo e como se livrar de fato do problema.

O episódio está sendo chamado de shadowban, devido à esta tática de mesmo nome praticada em fóruns para banir usuários considerados spammers, limitando a visualização e o alcance de suas publicações, sem que eles mesmos se dêem conta. O Instagram e outras redes, como Twitter, emprestaram a técnica com o mesmo objetivo. Porém, o shadowban vem acontecendo de forma tão indiscriminada que acaba afetando usuários completamente inofensivos.

Quais os sintomas do shadowban?

Primeiro, você irá notar uma queda abrupta na sua interação nas fotos mais recentes. Depois, irá notar que as únicas pessoas que interagem com suas postagens são aquelas que te seguem. Por que isso acontece? Porque suas publicações só estão sendo exibidas para você mesmo e os seus seguidores atuais. Estão totalmente ocultas para o público em geral, como se simplesmente não existissem. Algumas vezes, nem para você mesmo e seus seguidores elas aparecem, quanto mais para o restante.

Como confirmar se você está no shadowban?

Como o shadowban pode às vezes só afetar algumas postagens recentes, aconselho que poste uma nova foto e crie uma hashtag pessoal e específica só para esse teste, como #teste*InsiraSeuNomeAqui*. À partir de um outro perfil, você irá verificar a exibição desta foto nos resultados dessa hashtag criada, contanto que o perfil utilizado para o teste não te siga. Pode ser o do namorado, o da mãe, ou até um outro perfil próprio, mas é imprescindível que não esteja te seguindo no momento, pois só assim você confirmará se sua publicação está aparecendo ou não para quem não é seu seguidor.

O que causa o shadowban?

Essa é a pergunta que não quer calar! Existem inúmeras especulações, muitas delas relativas à conduta do usuário, quantidade de likes por dia, uso de bots e automações, mas a verdade é que o shadowban é algo relativo única e estritamente às hashtags e acontece somente por causa das hashtags.

Não tem mistério. Não tem um tio mal-humorado dentro do Instagram cuja função seja sacanear a vida dos usuários com quem ele não vai com cara, é tudo meramente automático, pura programação! O uso de algumas hashtags específicas ativam um gatilho no sistema do Instagram, que recebe a ordem de omitir as fotos deste determinado usuários na exibição dos resultados não só dessa, mas de todas as outras hashtags utilizadas por ele. São as famigeradas hashtags banidas.

Basta ter utilizado uma delas em uma foto, mesmo que anos atrás, para cair na teia do shadowban.

Quais são as hashtags banidas?

A seguir, algumas das hashtags banidas pelo Instagram. Mas já aviso: não espere nada de tão chocante!

Veja a lista completa de hashtags banidas clicando aqui.

Viu? Muitas delas são até inacreditáveis de tão inocentes. E é aí que mora o problema… 

18/07/2017

Nem é preciso dizer: com o verão, o sereismo está mais em alta do que nunca. E uma modinha que está rolando nas redes sociais são as fotos em ambientes praiano e de piscina com montagem de cauda de sereia sobreposta.

Já postei uma assim no Instagram e recebi inúmeros pedidos para explicar como fiz a montagem, então resolvi fazer este post para explicar. É tudo muito simples: basta ter o desenho da cauda de sereia e um aplicativo para fazer a sobreposição na foto desejada, com o PicsArt. A vantagem de utilizar o PicsArt é que a montagem pode ser feita no celular mesmo!

No final do post, disponibilizo alguns desenhos de cauda de sereia para serem utilizados nessa tarefa (seja no celular ou um programa de computador, contanto que seja feito o download das imagens para o dispositivo).

Aqui vai o passo a passo:

1- Abra a foto desejada no PicsArt;

2- Deslizando o menu inferior para o lado, clique em Adicionar Foto e selecione a imagem da cauda de sereia desejada;

3- Com a imagem da cauda selecionada, clique em Mesclar;

4- Selecione o efeito Clarear, para que a imagem fiquem transparente (agora, fica mais fácil de redimensionar e rotacionar a imagem da cauda para se encaixar certinho na perna);

5- Selecione a borracha para limpar os excessos da imagem da cauda que aparecem sobre áreas indesejadas da foto;

6- Vá apagando aos poucos todas as partes indesejadas do desenho da cauda (se necessário, aproxime o visor para obter melhor precisão);

7- Prontinho! Agora é só salvar;

8- Clique em Salvar Privado;

9- Remova a assinatura da foto e salve no seu rolo de câmera.

O processo é bem similar utilizando outro programa ou aplicativo que trabalho com sobreposição de imagens (como o Photoshop).

Para fazer o download dos modelos de cauda de sereia, clique nos respectivos links: [1.] [2.] [3.]

Super fácil, não? Se fizer, não esqueça de me contar!

Não é novidade que blogar virou algo sério, não só para quem vive do blog mas também para quem o tem por puro hobby, mesmo porque, nos dois casos, tudo que a blogueira quer é mantê-lo interessante, agradável e em ordem.

gostei-e-agora-bloggers-do-it-better-09

E foi numa conversa de amigas blogueiras que surgiu o grupo Vida de Blogueira, cujo objetivo é contar e mostrar um pouco como é o dia a dia da nossa profissão. Hoje é o dia de estreia do nosso grupo e o tema escolhido para o primeiro post foi : como é trabalhar com o blog.

Contaremos isso por meio da exposição dos pontos negativos e positivos. E lá vai o meu relato:

Pontos Positivos

  • Aprender e se divertir ao mesmo tempo: manter um blog atualizado e com informações interessantes demanda muita pesquisa e dedicação, mas quer algo mais delicioso do que se informar sobre as coisas que você mais ama? Quando o assunto te interessa, você naturalmente irá acabar procurando saber mais sobre ele, então não estará fazendo nada além do que já faria normalmente. O olhar fica tão clínico que em um simples passeio despretensioso pode surgir uma ideia genial para um post a partir de algo que viu por acaso.

gostei-e-agora-evento-terapia-oleos-indianos-o-boticario-01-joyce-nunes

  • Ir a eventos legais: quando um blog, pelo bom trabalho e repercussão, começa a ser reconhecido pelas marcas, surgem os convites para os eventos. Quem não gosta de ir a reuniões em locais agradáveis, com boa comida e bebida, conhecer e experimentar as novidades mais espetaculares do mercado, antes de todo mundo? A maioria dos eventos é uma delícia, principalmente quando as empresas se esforçam para impressionar. Eu adoro e não nego!
  • Fazer amizades: a convivência com outras blogueiras, seja virtual ou física, é inevitável e extremamente bem-vinda. Por mais que em um primeiro momento você se sinta uma estranha no ninho, os encontros serão tão frequentes que deles poderão surgir belas amizades. Aí está um dos motivos pelos quais eu adoro tanto os eventos: poder estar e conversar com outras blogueiras e amigas. Outras amizades incríveis que poderão surgir são as com suas leitoras. Impossível não ficar próximo de quem entra para ver o que você escreve todo dia, interagindo e participando!

  • Interação com as leitoras: o que seria de um blog se não fosse as pessoas que o leem? Oras, se o objetivo fosse escrever somente como válvula de escape, a melhor opção seria criar um diário fechado – e não uma página aberta para o mundo inteiro ver. Por isso, nada mais chato do que caprichar num post e não receber nenhum feedback, seja nos comentário ou nas redes sociais. Nada mais satisfatório para uma blogueira do que receber comentários, ainda mais se forem cordiais e que demonstrem que alguém aí do outro lado se importa com o que a gente escreve. Melhor ainda saber quando, de algum jeito, fizemos diferença positiva na vida de alguém.
  • Quem sabe, ganhar dinheiro com o blog: um trabalho bem feito chama atenção não só das leitoras, mas também das marcas, que começam a ver blog como uma perfeita vitrine para os seus produtos. Se as coisas funcionarem bem (depois comer muito, mas muito arroz e feijão mesmo) é possível até viver só com a renda do blog – e quer coisa melhor do que poder ser seu próprio chefe, trabalhar com o que se ama, direto de casa? Certamente não existe. Não é à toa que, há algum tempo, ser blogueira/o de sucesso superou o famoso sonho de ser modelo ou jogador de futebol.

Pontos Negativos

  • Comentários negativos ou maldosos e superexposição: pois é, se você está na internet, está sujeito a receber qualquer tipo de comentário e reação – e nem tudo são flores (e nem todas pessoas são educadas). Claro que existem aqueles que não concordam com a nossa opinião e nem todo mundo é obrigado a gostar do que a gente gosta, mas logo se percebe, pelo tom, quando a crítica é construtiva ou destrutiva. O fato é que toda blogueira deve estar pronta a receber comentários negativos, o que pode ser bem complicado e até dolorido para pessoas mais sensíveis. É algo a se considerar ao se expor na internet. O caso se agrava mais ainda quando a blogueira em questão opta por superexpor sua vida, mostrando o dia a dia dentro de sua casa, sua família, seus hábitos e intimidades. Nesta hipótese, deve-se estar preparado para ter pessoas cuidando e opinando em todos os aspectos da sua vida 24h por dia, querendo ou não. É questão de pensar se vale a pena.

gostei-e-agora-look-calca-flare-bata-ciganinha-chapeu-floppy-grand-canyon-20

  • Não ser levada a sério: sendo o blog rentável ou somente hobby, muitas vezes é difícil fazer com que as pessoas mais próximas, como familiares e amigos, entendam seu comprometimento com o mesmo. Até quando um blog é super bem sucedido e se torna única fonte de sustento, os mais tradicionais podem torcer o nariz e não levar a sério sua profissão, como se simplesmente você não tivesse um trabalho e não fizesse nada o dia inteiro. É preciso ter bastante paciência com esse tipo de julgamento e não perder o foco.
  • Inconstância financeira: este item é só para o caso de quem trabalha unicamente com o blog. Como tudo depende das propostas de publicidade que você irá receber e fechar, pode haver meses em que você ganhe muito e meses que você não ganhe nada. É super arriscado, ainda mais se você não for aquela pessoa super responsável que tem costume de poupar dinheiro para uma eventualidade. Sem falar que, em tempos de crise, a primeira verba que é cortada pelas empresas em geral é a de publicidade, o que reflete diretamente nos blogs que vivem dela. Isso piora mais ainda no caso dos blogs médios e pequenos, pois em época de vacas magras, as marcas que ainda investem em publicidade certamente preferem apostar nos blogs gigantes, na intenção de garantir a maior visibilidade possível.

in bed breakfast

  • Trabalho sem descanso e sem férias: por mais que trabalhar com o que se ama seja delicioso, corpo e mente sempre pedem um tempinho para se revigorar. Acontece que, no caso dos blogs, não é possível tirar férias como nos empregos convencionais. Se você parar de postar por um longo período, os leitores param de visitá-lo por não encontrar nada de novo e muitas vezes nunca mais voltam. Falo isso por experiência própria. Tive períodos de mudança e transformações em minha vida nos quais não tinha concentração para escrever com a mesma frequência de antes e – infelizmente – neste período, muitos dos leitores foram e nunca mais apareceram.
  • Ser engolida pelo tempo: a evolução da tecnologia e das redes sociais é constante e cada vez mais rápida, por isso o que era legal hoje pode não ser mais legal amanhã. Se acomodar num único modo se comunicar e expor as informações, sem se adaptar às tecnologias e meios mais atuais, é um erro enorme para quem deseja sempre estar em evidência no mundo dos blogs. Mais uma vez me cito como exemplo: quando criei o Gostei e Agora, 6 anos atrás, a plataforma mais visada e visitada para obtenção e divulgação de informações era o blog; porém, com o tempo, Instagram e YouTube (e mais recentemente Snapchat) tomaram o espaço de predileção que antes era dos blogs e mudaram a regra do jogo: a informação deve ser instantânea e, preferencialmente, ter voz e movimento. O estático ficou para trás. Blogueiras como eu, que não participam ativamente do YouTube, não têm a mesma projeção do que as que fazem vídeos, considerados essenciais hoje em dia. Por isso, se o objetivo for ser visto e fazer sucesso, é necessário estar disposto a acompanhar estas mudanças e as que ainda estão por vir.

Enfim… esses são os meus pareceres sobre como é trabalhar com o blog, seus pontos negativos e positivos. Tem seus altos e baixos, como tudo na vida, mas o importante é nunca deixar de fazer o que se gosta.

Aposto que as outras meninas do time Vida de Blogueira tem muito mais a dizer, cada uma com suas experiências e particularidades. E se prepare: VDB só está começando, logo mais falaremos sobre outros temas e curiosidade que envolvem o universo dos blogs.

Esperamos que goste! Eis o nosso lindo time VDB:

Vida de Blogueira Vida de Blogueira Vida de Blogueira Vida de Blogueira Vida de Blogueira Vida de Blogueira